A relação entre rendimento e salários na NBA ao fim da janela de transferências 2017

No dia 23 de fevereiro terminou a janela de transferências da temporada 2016-2017 da NBA. O período foi morno com apenas uma super troca, algumas movimentações interessantes e outras menores para compor o plantel ou fazer ajustes salariais. Cada atleta que mudou de equipe levou junto seu contrato milionário. Com as folhas de pagamento fechadas, fomos buscar a relação entre rendimento e salários na NBA.

Para saber quais os elencos com melhor custo-benefício da liga, analisamos a relação entre o dinheiro investido pelas equipes e os resultados na temporada atual. Com informações do dia 05/03, cruzamos dados da folha salarial de cada time da NBA com a respectiva classificação, e então calculamos: posição no ranking salarial – posição na tabela = rendimento.

Abaixo, a tabela completa com os resultados das equipes.

Quem rende mais

Vamos começar os destaques positivos com o estrelado Golden State Warriors que tem apenas a 8ª maior folha salarial da liga. A explicação é que o contrato de jogadores importantes são anteriores à ascensão da franquia, como o de Andre Iguodala ou Stephen Curry. O atual bicampeão do prêmio de MVP, aliás, é apenas o 82º maior salário da NBA, recebendo U$ 12 milhões. O contrato desses atletas termina ao fim da temporada e aí o time californiano terá que abrir o cofre.

Arte: Vinicius Schmidt/Time de Fora

Destacamos também os quatro times que estão no topo da tabela de rendimento: Utah Jazz, Houston Rockets, Boston Celtics e Oklahoma City Thunder. No caso de Utah e Boston, por exemplo, são equipes em reconstrução que contam com técnicos em seus primeiros anos e bons trabalhos. São equipes bem montadas com jogadores baratos e eficientes dentro de um esquema coletivo. Destaque para Gordon Hayward (U$ 16 milhões), do Jazz, e Isaiah Thomas (U$ 6,5 milhões), dos Celtics.

Já Houston Rockets e Oklahoma City Thunder têm histórias parecidas que explicam o rendimento atual. As duas equipes perderam astros e aliviaram sua folha salarial com a saída de Dwight Howard e Kevin Durant, respectivamente. Com isso, coube aos dois candidatos a MVP da temporada atual, James Harden e Russell Westbrook, levarem seus times além da expectativa.

Quem rende menos

O Cleveland Cavaliers tem o elenco mais caro (U$ 129 milhões) e a terceira melhor campanha da NBA. Não é tão ruim, mas o que os coloca nos destaques negativos é o nível apresentado em quadra. O time até conseguiu reforços bons e baratos como pediu LeBron James, mas deu azar do australiano Andrew Bogut perder o resto da temporada por contusão. O que “ameniza” a situação é que o Leste ainda não apresenta adversários à altura, mas será que os Cavs valem tudo isso?

Arte: Vinicius Schmidt/Time de Fora

As duas equipes com pior saldo são, surpreendentemente, Portland Trail Blazers e Orlando Magic. Isso porque elas têm a 2ª e 9ª maior folha salarial e apenas uma estrela nos dois elencos (Damian Lillard). O que compromete são os altos contratos com jogadores voluntariosos, mas que não decidem. No Magic podemos citar Bismack Byiombo, Evan Fournier e Jeff Green que somam U$ 49 milhões em salários por temporada. Nos Blazers, Allen Crabbe e Evan Turner somam U$ 35 milhões. O caso do time de Oregon, aliás, terá uma análise exclusiva aqui no Time de Fora.

Por fim, é com tristeza que constatamos a decadência de Los Angeles Lakers e New York Knicks. Fora dos playoffs desde a temporada 2012-2013, parece que a história vai se repetir novamente. Se antes LA nunca ficou mais de dois anos seguidos fora da pós-temporada, agora vai para o quarto sem jogar os playoffs. Porém quem preocupa mesmo são os Knicks. Os nova iorquinos contam com Carmelo Anthony e Derrick Rose (U$ 45 milhões somados), Kristaps Porzingis e Phil Jackson na presidência, tudo isso na conferência mais fraca da liga. Tinha tudo para fazer bonito, mas continua decepcionando.

Dinheiro não garante título

Se a temporada atual mostra que elenco caro não garante boa temporada regular, os últimos anos mostram que também não garante troféu. De acordo com os dados do site Spotrac, apenas uma equipe com a maior folha salarial chegou às finais nos últimos cinco campeonatos, justamente o Cleveland de 2016. Em 2015, os Warriors tinham o 15º elenco mais caro e o San Antonio Spurs de 2014 tinha apenas o 20º. Já o Miami Heat foi bicampeão em 2012 e 2013 com a 2ª e 3ª maior folha salarial, respectivamente.

Assim como a tradição dos times não entra em quadra, parece que o dinheiro também não, seja na temporada regular ou nos playoffs.

Colaboração: Lucas Inácio

3 comentários em “A relação entre rendimento e salários na NBA ao fim da janela de transferências 2017

Deixe seu comentário: