Quem será a próxima vítima da pré-temporada da NFL?

Mais uma pré-temporada da NFL começa, e embora isso seja uma grande notícia por significar que falta menos de um mês para o início da temporada regular, também é motivo de apreensão, fé e catástrofe por parte dos torcedores. Todo santo ano a zica bate e algum jogador se lesiona, prejudicando o time já na primeira semana da temporada regular.

Já tivemos alguns casos em 2017. Nessa quarta-feira, duas bombas.

Sterling Shepard, WR do New York Giants, deixou o treino do time no carrinho maca com (muitas) dores na perna esquerda. Exames revelaram que ele sofreu “apenas” uma torção no tornozelo, mas ainda não se sabe quando o jogador terá condição de treinar normalmente. No ano passado, o calouro anotou oito touchdowns em 65 recepções.

Também no treino, o WR do Houston Texans, Will Fuller, quebrou a clavícula e ficará fora por tempo indeterminado. Fuller também era calouro no ano passado e terminou a temporada com 47 recepções, 635 jardas e dois touchdowns.

Alguns jogadores ficam de fora de poucos jogos, outros perdem a temporada inteira. E esse ano? Quem será a grande vítima da pré-temporada da NFL?

Para quê serve a pré-temporada da NFL?

pré temporada NFL
Crédito: Stròlic Furlàn – Davide Gabino via Visual Hunt

Antes de citar alguns casos, é sensato explicar qual o significado da pré-temporada da NFL. As quatro partidas de pré-temporada que cada time disputa servem como um “esquenta” para o torcedor que está há mais ou menos seis meses sem um jogo oficial do seu time. Alivia o fã, mesmo que nesses jogos os principais jogadores joguem uma, duas campanhas ou no máximo um quarto.

Os jogos servem também para que calouros e jogadores de pouco renome tenham mais chances para mostrar seu potencial. Mas como todos nós sabemos que a NFL é uma liga quase nada ambiciosa, serve como uma grande oportunidade de gerar ainda mais dinheiro com o futebol americano.

Uma das grandes reclamações dos torcedores, aliás, é o preço dos ingressos de pré-temporada. Com tickets de preços similares ao de partidas oficiais de temporada regular, os clubes aproveitam para arrecadar um pouquinho mais de seus torcedores. Afinal, muitos dos fãs que compram o carnê com ingressos para os oito jogos em casa durante a regular season não têm opção e acabam se vendo “obrigados” a comprar os ingressos de pré-temporada automaticamente inclusos no pacote.

Se incluídos neste pacote eles custam a bagatela de mais ou menos 200 dólares, revendidos separadamente pelos torcedores que não tem interesse em assistir a esses jogos não tão empolgantes os ingressos chegam a custar menos de 10 dólares.

Leia mais: Entrevista com André Junior Saugo, o Mano, árbitro de futebol americano

Histórico de lesões na pré-temporada da NFL

Mas apesar de significar o fim de uma longa espera, o mês que antecede o kickoff da temporada regular pode significar também preocupação. Afinal, é a época em que seu time pode perder o principal jogador em jogos com praticamente nenhum propósito. Todos os times poupam ao máximo suas principais estrelas, mas acabam as colocando em campo para dar ritmo de jogo.

Então vamos relembrar algumas lesões que impactaram alguns times ao longo dos últimos anos:

Michael Vick foi ao Probowl em 2002, mas perdeu 10 jogos da temporada seguinte após quebrar a fíbula na pré-temporada
Foto: Keith Allison via Visualhunt / CC BY
Michael Vick – Atlanta Falcons (2003)

No ano anterior, Michael Vick surpreendeu a NFL ao quebrar recordes correndo com a bola, levar o Atlanta Falcons aos playoffs e conquistar um feito até então nunca antes conquistado: vencer o Green Bay Packers no Lambeau Field em uma partida de playoff. No ano seguinte, na segunda partida da pré-temporada da NFL de 2003, Michael Vick quebrou a fíbula após ser derrubado por um jogador do Baltimore Ravens. O quarterback perdeu 10 partidas da temporada regular e foi substituído por Doug Johnson, que terminou esse período com 8 TDs, 12 interceptações e oito derrotas em dez jogos disputados. Resultado: o Atlanta Falcons terminou o ano com a pior campanha da NFC South em 2003.

Sean Lee – Dallas Cowboys (2014)

Nas últimas duas temporadas, o OLB do Cowboys foi uma máquina de defesa com 273 tackles tackles combinados. Mas até então, sua condição física preocupava e muito os torcedores de Dallas. Em 2012 e 2013 Lee já havia perdido 15 partidas por conta de lesões no pescoço, pulso e joelho. Aí em maio de 2014, durante um treino, o linebacker rompeu os ligamentos do joelho e perdeu a temporada inteira. Sim, você leu direito. A lesão ocorreu em maio, durante os treinos da intertemporada. Abaixo veja o lance da lesão:

Mesmo sem Sean Lee, o Cowboys venceu doze jogos da temporada regular e se classificou aos playoffs da NFL. O time do Texas foi eliminado quando enfrentou o Packers em Green Bay, no Divisional Round.

Leia mais: Conheça os jogadores mais rápidos da NFL

Sam Bradford – St. Louis Rams (2014)

Sim, o quebra galho do Vikings também é um imã de lesão. Bradford rompeu o ligamento do joelho em um jogo de pré-temporada contra o Cleveland Browns, no dia 23 de agosto de 2014. O bizarro da situação é que o quarterback do Rams havia sofrido a exata mesma lesão durante a temporada anterior. Ou seja, duas rupturas de ligamento ano após ano. Veja o lance contra o Cleveland Browns:

A situação que já era difícil com Bradford, ficou ainda pior com sua lesão. Sem o quarterback, o Rams venceu apenas seis partidas da temporada regular de 2014 e não teve nem chances de buscar uma vaga nos playoffs daquele ano.

Jordy Nelson – Green Bay Packers (2015)

Uma das zicas mais conhecidas de pré-temporada aconteceu no jogo entre Steelers x Packers, no dia 23 de agosto de 2015. Na primeira campanha do jogo, Rodgers lança um passe curto e lateral para a recepção de oito jardas de Jordy Nelson, que recebe no ar e ao cair no gramado rompe o ligamento cruzado anterior. O principal recebedor do Packers ficou fora da temporada inteira. Veja a jogada:

No mesmo jogo, o Steelers perdeu o center Maurkice Pouncey, que quebrou o tornozelo e ficou de fora da temporada do mesmo ano. Mesmo sem os dois jogadores, Steelers e Packers chegaram à pós-temporada. Os dois times venceram 10 partidas e perderam 6 cada, e foram eliminados no Divisional Round dos playoffs da NFL. Pittsburgh caiu para Denver, e o Packers, mesmo contando com os milagres de Aaron Rodgers, foi eliminado pelo Arizona Cardinals.

Teddy Bridgewater – Minnesota Vikings (2016)
Teddy Bridgewater sofreu uma lesão séria na pré-temporada de 2016 e segue sem atuar
Foto: Matthew Deery via Visualhunt / CC BY

Provavelmente a lesão que mais prejudicou um time durante a pré-temporada do ano passado não aconteceu durante um jogo, mas sim em um treino. Em um treino sem contato no dia 30 de agosto de 2016, o quarterback do Minnesota Vikings, Teddy Bridgewater, sofreu uma lesão muito séria.

Enquanto fazia um dropback e plantava o pé para fazer um passe, Bridgewater rompeu completamente o ligamento cruzado anterior e ainda sofreu alguns outros danos estruturais no joelho esquerdo.

Além de ter perdido a última temporada inteira, especulou-se que o jovem jogador nunca mais jogasse futebol americano. O veterano Shaun Hill seria o titular substituto do Vikings, mas o time assinou com Sam Bradford, que liderou a equipe à uma temporada de 8 vitórias e 8 derrotas.

Tony Romo – Dallas Cowboys (2016)

Perder o quarterback titular não foi um feito apenas do St. Louis Rams com Sam Bradford em 2014. Na terceira partida da pré-temporada do ano passado, o Dallas Cowboys visitou o Seattle Seahawks no Centurylink Field e saiu derrotado por 27×17. Mas as manchetes do jogo ficaram por conta da lesão de Tony Romo, que quebrou uma vértebra das costas após um tackle de Cliff Avril, defensive end do Seattle Seahawks. Veja o lance:

O curioso dessa lesão foi o fato de Dak Prescott, calouro escolhido na 4ª rodada do draft de 2016, não só ter herdado a posição de quarterback titular nas primeiras semanas, mas também ter conquistado a posição definitiva quando Romo se recuperou da lesão. Com 67,8% dos seus passes completados na NFL, 23 TDs e apenas quatro interceptações, Prescott brilhou em sua temporada de calouro e levou o Dallas Cowboys ao Divisional Round da última pós temporada. Enquanto isso, Romo decidiu se aposentar da NFL aos 37 anos de idade. Hoje ele é comentarista do canal CBS.

Leia mais: Salário vs desempenho: quais times da NFL renderam mais na última temporada?

Joe Flacco, Crockett Gillmore e Nico Siragusa – Baltimore Ravens (2017)
Campeão do Superbowl em 2013 com o Ravens, Flacco inicia a pré-temporada com lesão nas costas
Foto: Keith Allison via Visualhunt / CC BY

Não há dúvidas de que quem mais trabalha no elenco do Baltimore Ravens esse ano é o departamento médico. Já são várias baixas no time para a próxima temporada. Além de Kenneth Dixon, RB que fez uma cirurgia para reparar uma lesão no menisco, o tight end Crockett Gilmore rompeu o LCM (joelho) em um treino da semana passada e também deu adeus à esta temporada. O calouro Nico Siragusa, que joga na linha ofensiva, também machucou o joelho no treinamento e rompeu três ligamentos: o LCA, O LCP e o MCL.

Como se não bastasse, o quarterback titular da equipe machucou as costas levantando peso (??) e não deve participar da pré-temporada da equipe. Ainda não se sabe se Flacco terá condições de jogar na semana um contra o Cincinnati Bengals.

Quem será o próximo?

Esses são só alguns de muitos outros casos de lesões de jogadores no período que antecede a verdadeira graça da NFL: a temporada regular. Vimos anteriormente que algumas equipes sentiram a falta de suas estrelas mais do que outras, e como o nível do futebol americano apresentado na NFL é muito intenso – mesmo na pré-temporada – é muito improvável que não vejamos uma grande lesão acontecer durante as próximas quatro semanas de jogos pouco significantes. Se sabemos que alguém vai se lesionar, aos torcedores resta apenas rezar e torcer para que seu time não seja afetado.

Foto destaque: Jordan Raanan via NJ Advance Media for Nj.com

3 comentários em “Quem será a próxima vítima da pré-temporada da NFL?

Deixe seu comentário: