Perdemos a Liga Mundial, mas o foco é Olimpíada

Nós perdemos, e feio, a Liga Mundial. Ok, até a final fomos muito bem, derrubamos a poderosa França em alto nível e até existia uma esperança de título. Ainda assim, não é só o 3 a 0 para a Sérvia que incomoda, mas a maneira como nossa equipe se comportou, como a seleção masculina de vôlei escancarou suas fraquezas de forma mais clara impossível.

Mas as Olimpíadas estão aí, na boca do gol, e ainda temos um mês de treino, Não é aquilo tudo, mas pelo menos Bernardinho já sabe seu time titular. Diferentemente do texto feito para as mulheres, este foi produzido já com uma lista olímpica divulgada, algo que acaba não mudando nada para nenhuma das seleções: as competições deste mês separaram bem quem está ou não em boa fase. Assim, o Time de Fora traz mais um time ideal do vôlei:

Seleção Masculina de Vôlei Olimpíadas 2016
Arte: Vinicius Schmidt

Oposto – Wallace

Um dos dois caras que estão chegando para os jogos no Rio de Janeiro em altíssimo nível, Wallace é nossa maior arma ofensiva – de longe! Principal pontuador na final da Liga Mundial, referência quando a situação fica difícil e com ótimo aproveitamento nestas condições. Wallace é nossa peça mais incontestável na equipe titular, apesar das boas aparições de Evandro nas inversões.

Centrais – Maurício Souza, Lucão/Éder

Outro titular quase absoluto, Maurício Souza é também a maior surpresa positiva desta convocação. Foi um jogador que no período da final da Superliga até a final da Liga Mundial passou de “talvez convocado” a referência no meio de rede. Bloqueador nato, seu grande impacto é justamente aliviar nosso frágil sistema defensivo, dando sempre melhores chances de um passe ao tocar em todos os ataques do adversário. Maurício se destacou no ótimo aproveitamento de ataque, apesar de não ser tão acionado quanto Lucão. Parceiro eterno de Bruninho por onde passam, Lucas é nossa primeira opção, mas divide um espaço significativo com Éder. Lucão-Bruninho é a especialidade ofensiva desta geração do nosso vôlei, porém a potência que Éder traz no saque é incontestável, uma arma poderosíssima que teremos para os jogos mais complicados. A queda de rendimento de Lucão, tanto no saque como no bloqueio, colabora para a dúvida de quem assume a titularidade.

Ponteiros – Lucarelli e Maurício Borges

O outro cara que está no seu ponto alto de nível técnico é Lucarelli. Nosso segundo melhor atacante, nosso melhor passador, além de um atleta genial. Talvez nossa grande pérola para o futuro, Luca lida com dois problemas para as Olimpíadas: 1) sua parte física anda um pouco complicada, sentiu dores nas costas durante a Liga Mundial e pode voltar a sentir nos jogos olímpicos; 2) a pressão no jovem ponteiro será gigante, justamente por ser ele uma das referências da seleção multicampeã e sempre favorita – com apenas 24 anos. Além de tudo isso, seu companheiro de posição está ali por oportunismo. Sem tirar os méritos de Maurício Borges, que fez partidas ótimas na parte ofensiva durante a Liga Mundial, principalmente no saque, mas esta titularidade é de Murilo. Mas um Murilo 100% fisicamente, com ritmo, e nós não temos esse cara a disposição. Assim, Maurício é a segunda melhor opção, porém sua clara fragilidade na recepção é também nosso maior ponto fraco. A Sérvia usou e abusou dos saques no ponteiro, até a entrada de Lipe para recompor o sistema. Que bom que a Sérvia não vai para as Olimpíadas, pois contra as outras seleções da Liga Mundial conseguímos nos virar até que bem, mas nunca perto do ideal.

via GIPHY

Levantador – Bruninho

Atualmente, Bruninho não é tecnicamente nosso principal levantador. Porém, ele tem o principal elemento da posição, e que William não tem: entrosamento. Conhece muito bem Lucão, aprendeu a jogar as bolas altas para Lucarelli e compõe muito bem outras funções, como saque e defesa. Assim, será ele o titular, mas sempre com uma sombra do Mago por trás. De qualquer forma, suas atuações na Liga Mundial não prejudicaram – e poderiam ser bem melhores.

Líbero – Serginho

Definimos ele em poucas palavras: o melhor da história. Mesmo com 40 anos, mesmo já tendo a fama e sendo marcado, é o melhor. Que vá para 2020 com 44 anos, se aguentar, pois não há igual no vôlei brasileiro.


Assim, nossa seleção aposta na força ofensiva de Wallace e Lucarelli e nos bloqueios de Maurício Souza, rezando para que ninguém consiga sacar como a Sérvia. Nosso sistema de recepção é o ponto fraco, é sim ruim e precisa buscar uma alternativa até os jogos olímpicos. No banco, algumas opções, porém nada que possa surpreender.

William

O Mago, nosso melhor levantador tecnicamente na atualidade, sofre por ser entrosado apenas com Wallace. Não que isso seja ruim, mas complica ao pensarmos que Lucarelli, Lucão e Maurício Borges possuem estilos de ataque muito peculiares. Sua habilidade de sacar e defender, aí sim, estão abaixo do titular Bruninho, talvez o principal motivo para William estar no banco.

Evandro

Bom atacante, com alcance muito grande e habilidade para diversificar as batidas. Bom bloqueador, com presença devido à altura e leitura para decifrar o ataque adversário. Bom sacador, sem muitos recursos, mas forte e veloz. Por que não é titular? O cara que está lá é um monstro, simplesmente. Ainda assim, Evandro pode ter suas chances nas inversões, sendo um cara desconhecido e com chances de surpreender os adversários mais desinformados.

Lipe

Nossa principal arma do banco, o cara que pode entrar para reforçar a recepção num jogo difícil, dando estabilidade consequente ao ataque e fazendo o time girar. Será peça fundamental quando Maurício Borges se vir contra a parede, principalmente frente aos adversários sacadores, como Rússia, EUA, Polônia e França. O problema é que sua colaboração ofensiva se limita a bons saques e ataques simples, algo que pode ajudar os bloqueadores do outro lado quando ele passar na rede. No geral, é possível Xupita assumir uma titularidade caso Maurício não melhor suas recepções.

Douglas Souza

Aposta total de Bernardinho, é um cara de 20 anos que veio para ganhar experiência e ser preparado para o próximo ciclo olímpico. Uma ótima escolha do treinador de um atleta com potencial.

Foto destaque: Divulgação/FIVB

Deixe seu comentário: