Mike, Sam e Will: entenda as posições clássicas dos linebackers

É comum ouvirmos que o futebol americano é um jogo de xadrez em que o movimento das peças depende da excelência atlética de seus jogadores. Diferentes posições executam diferentes movimentos e servem para propósitos distintos no grande tabuleiro de cem jardas. Mas se nenhuma posição é tão singular e importante quanto a dos quarterbacks, nenhuma outra é tão flexível e complexa como a dos linebackers.

Para os amantes do esporte, é fácil identificar grandes nomes recentes e antigos de linebackers de sucesso. A posição é talvez a que tenha mais reconhecimento no lado defensivo do gramado e geralmente protagoniza grandes lances e big hits que chamam a atenção de qualquer um. Porém, aos que não estão familiarizados totalmente com a parte tática do esporte, existem diferenças entre os linebackers em campo tão fundamentais quanto as diferenças entre as posições. Determinadas características são únicas de cada um deles e podem pesar bastante na hora de seu time realizar o scout para o draft.

Leia mais: Center, Guard e Tackle: entenda as posições da linha ofensiva

Todos os apelidos dados aos linebackers fazem referência à posição que eles ocuparam em campo. Por isso, conheça as diversas funções a habilidades exigidas para o Mike, Sam, e Will:

Mike

Levando em conta as defesas tradicionais 4-3, que é basicamente a formação mais simples de alinhamento defensivo, sempre existirá um LB no meio dos outros chamado de Middle Linebacker ou apenas Mike.

Talvez o Mike seja o LB mais famoso e destacável entre todos os que serão apresentados. É ele quem organiza o huddle defensivo, recebe as instruções do coordenador de defesa e é responsável por ler a formação da linha ofensiva adversária – também chamada de “caixa” ou “box” – para realizar os ajustes.

Para jogar na posição Mike, o linebacker precisa ser muito inteligente e ter tackles firmes. É ele quem geralmente cobre corridas pelo meio (gaps A- e A+) e impede grandes avanços. Além disso, normalmente quando os jogadores de linha ofensiva ou fullback fazem ISO (bloqueio que busca isolar um determinado defensor), o Mike é o primeiro jogador que eles buscam anular para aumentar seu ganho de jardas. Por isso, antes de cada jogada ofensiva, o quarterback lê o posicionamento da defesa adversária e grita para toda a sua OL qual é o número do Mike. Se o QB em questão for do Dallas Cowboys e se chamar Tony Romo, essa leitura pode ser até um pouco engraçada de se ver.

Foto: Grant Halverson/Getty Images
Foto: Grant Halverson/Getty Images

Outra curiosidade bacana sobre a posição de Mike é a formação defensiva Tampa 2 – popularizada pelo head coach Tony Dungy no Tampa Bay Bucanneers, campeão do Super Bowl XXXVII, na temporada 2002-2003. Nela, o fundo do campo é dividido em três partes, cabendo aos dois safeties cobrirem as extremidades e ao Mike a parte do meio. Essa formação fez muito sucesso justamente porque o Mike daquele elenco, Shelton Quarless, era atlético o suficiente para conter grandes avanços de corrida e se deslocar verticalmente no campo muito rapidamente quando lia situações de passe. Além disso, é necessário defensive tackles com características de nose tackle para garantir que a corrida pelo meio seja complicada para o running back. Nesse quesito, Warren Sapp era extremamente eficiente e conquistou assim seu lugar no Hall da Fama da NFL.

Nomes como Luke Kuechly, Sean Lee, Bobby Wagner e NaVorro Bowman são os principais destaques de hoje em dia. No passado, tivemos grandes jogadores atuando na posição de Mike como Ray Lewis, Brian Urlacher, Jack Lambert e Patrick Willis.

Will

Como já falamos, cabe ao Mike ler a formação ofensiva adversária e a configuração da “caixa”. A partir dessa leitura, o Mike grita para sua defesa qual o lado da “caixa” está mais forte ou mais fraco. A partir daí, os dois outside linebackers dividem-se de acordo com a orientação dada pelo Mike. Cabe ao Will, cuidar do Weakside (lado fraco) da caixa. Isso significa que esse é o LB que terá menor probabilidade de encarar de frente um running back justamente por cobrir o lado menos provável da corrida que possui menos bloqueadores.

Foto: Robert Deutsch, USA Today Sports
Foto: Robert Deutsch, USA Today Sports

De todos os linebackers citados, nenhum deve ser tão atlético, ágil e veloz quanto o Will. É ele geralmente o responsável por cobrir o lugar mais vulnerável a passes em uma eventual play-action do quarterback em que o running back fingiu uma corrida pelo lado forte. O Will deve ser rápido para anular o recebedor de sua responsabilidade e, ao mesmo tempo, ser preciso (muito mais do que forte) nos ângulos de tackles para conter longos avanços após a recepção.

O Will é também o linebacker que geralmente possui a melhor média de sacks do time. Já que é o mais veloz entre os seus companheiros de unidade e fica posicionado no lado com menos bloqueadores da linha ofensiva, os coordenadores defensivos adoram mandar blitz de Will para tentar pegar o quarterback desprevenido em jogadas de passe. Porém, em coberturas man-to-man, o Will é também geralmente o LB que sai para dar lugar a um nickelback marcar o recebedor na posição slot.

Grandes nomes de linebackers que jogam na posição Will em seus times hoje em dia são Kiko Alonso, KJ Wright e Vontaze Burfict. Se você procurar por grandes nomes do passado, os destaques são Derrick Brooks, Lawrence Taylor e Lance Briggs.

Sam

Se ao definir o lado forte da “caixa” o Mike orienta para o Will onde está a sua responsabilidade (weakside), ele faz simultaneamente o mesmo para o Sam com o Strongside. O Sam é o linebacker mais “durão” presente em campo. É ele quem irá encarar bloqueio de offensive tackles e tight ends em corridas direcionadas para o lado forte da caixa e é ele o responsável geralmente por bater de frente com fullbacks em lead-runs.

USA Today Sports
Foto: USA Today Sports

As habilidades naturais necessárias para um bom Sam são força e explosão. Linebackers da posição Sam precisam ser os mais fortes de seus companheiros de unidade e explodir mais rápido para garantir que o corredor não encontre nenhum gap “limpo” para correr com a bola.

Em muitos casos, LBs da posição Sam nem sempre começaram suas carreiras jogando nesta unidade. Existem diversos casos de defensive ends ou até mesmo defensive tackles que, uma vez selecionados por uma universidade com um sistema de jogo diferente do high school, acabaram migrando para a posição de linebacker. Isso é mais comum acontecer com defensive ends que possuem certo atleticismo e mudam-se para defesas 3-4.

Atualmente, os principais nomes de jogadores Sam da NFL são: Thomas Davis, Dont’a Hightower e o MVP do Super Bowl 50 Von Miller.

De forma bem simples, o objetivo do texto foi apenas diferenciar os linebackers das formações tradicionais de defesas 4-3. Existem diversas variações de alinhamento e habilidades físicas necessárias para jogar em cada uma dessas posições. Em defesas 3-4, por exemplo, os dois jogadores do meio são chamados de Inside Linebacker e podem ter apelidos diferentes e características semelhantes às do Mike, mas não totalmente iguais. Alguns exemplos utilizados no textos também são jogadores que atuam ou atuaram em defesas 3-4, mas que possuem biotipo facilmente adaptável para 4-3. Portanto, uma boa dica para entender como o seu time do coração joga na defesa é estudar a variação de formações que eles utilizam em diferentes posições do campo e a movimentação de seus linebackers no período imediatamente pós-snap.

Foto principal: Keith Allison via Visual hunt / CC BY-SA

7 comentários em “Mike, Sam e Will: entenda as posições clássicas dos linebackers

    • 10 de março de 2017 em 11:44
      Permalink

      Valeu, Douglas!

      Resposta
  • 19 de março de 2017 em 10:51
    Permalink

    Ótima explicação! Obrigada!!

    Resposta
    • 14 de abril de 2017 em 12:32
      Permalink

      Que bom que gostou, Simone!

      Resposta
  • 14 de abril de 2017 em 10:45
    Permalink

    Na parte do will, vc colocou que o coordenador ofensivo adora mandar blitz do will, confundiu, mas ficou muito bom.

    Resposta
    • 14 de abril de 2017 em 12:33
      Permalink

      É verdade, Igor! Passou batido pela revisão esse tempo todo. Muito obrigado pela sua atenção!

      Resposta
  • 5 de setembro de 2017 em 12:11
    Permalink

    Texto muito bom, obrigado, ajudou bastante.

    Resposta

Deixe seu comentário: