O que é o meta game nos eSports?

Se você acompanha minimamente streamers ou transmissões de campeonatos de MOBAs, cards ou FPSs, já deve ter ouvido a expressão meta game. “O item do meta, o heroi do meta, o deck do meta, a arma ou tática do meta.”

Mas afinal, o que é esse tal de meta?

Primeiramente temos que saber que existem muitos elementos, ou status, de gameplay dentro dos jogos englobados pelo eSport. Por exemplo: vida, mana, energia, velocidade de ataque, velocidade de movimento, dano físico, dano mágico, armadura, e esses elementos são números que podem ser trocados. Além disso, eles têm características e interagem entre si, como o dano físico contra a vida, a armadura contra o dano físico, etc.

Leia mais: Quanto vale a indústria dos eSports?

Então, o meta game são os elementos dos jogos mais eficientes ou que estão mais fortes no momento. Ou o campeão que dá muito dano e toma pouco, ou um item com um custo benefício muito bom, ou uma ultimate que desequilibra de forma injusta uma team fight.

E essa temporalidade é bem importante, porque o meta muda constantemente, principalmente em MOBAs, devido aos patchs que são lançados periodicamente. Os elementos de League of Legends e Heroes of the Storm, por exemplo, sofrem mudanças mais ou menos a cada quinze dias, e o meta desses jogos seguem as mudanças.

Patch 7.5 is live!

Uma publicação compartilhada por leagueoflegends (@leagueoflegends) em

Como o meta game nos eSports é criado?

Nos jogos do eSport há uma busca pelo equilíbrio desses elementos de gameplay, deixando assim o jogo mais atrativo, divertido e customizável para o jogador. Por exemplo, é visível a constante tentativa de balanceamento no League of Legends pela Riot Games, por meio de atualizações de personagens e itens.  

O meta pode nascer dentro de uma atualização, que é essa tentativa de balanceamento do jogo (buffs e nerfs). Essa atualização pode conter heróis ou itens novos, por exemplo, ou mudanças nesses elementos.

Mas estar no meta game não é simplesmente dar mais dano ou ter mais vida em relação aos outros. Uma consequência natural no eSport é o counter. Ser counter de algo é ter características que te dão vantagem contra esse algo naturalmente.

Por exemplo, em League of Legends, um campeão pode ter um kit de habilidades que counterem outro campeão. Ou um item pode ter característica que se oponha a outro item. Em Overwatch isso é bastante visível. Como você pode trocar de personagem no meio de uma partida, eles foram criados para serem counters um dos outros.

Então o meta game, além de ser o que está mais forte no momento, é o que countera esse elemento que está forte. Por exemplo, em Overwatch, o Winston foi buffado no último patch e ele tem como característica pular na backline do time inimigo e incomodar. Então o que começou a aparecer no meta? Roadhog e Reaper, personagens que dão muito dano a curta distância.

Ou em League of Legends, quando Darius estava extremamente forte na rota do topo. O que começou a aparecer? Gnar, um toplaner com ataques básicos a distância, que tinha a habilidade de nunca deixar Darius chegar perto dele.

Uma coisa importante para se ter em mente: o meta game não igual no mundo todo.

Mas por que o meta da europa não é o mesmo que o brasileiro?

Um dos fatores mais importantes é a qualidade dos jogadores, obviamente. Se o Faker, na Coreia, está destruindo todos com seu Ryze, composições serão montadas ao redor dele e equipes inimigas montarão composições para counterar esse campeão. Se o Fallen carrega jogos com a awp, táticas serão montadas ao redor dele e equipes inimigas criarão jeitos para tentar neutralizá-lo.

Mas além da qualidade individual, as regiões tem diferentes estilos de jogo. Por exemplo, no League of Legends, a China tem um estilo agressivo no começo da partida, enquanto que jogadores Coreanos gostam do controle de mapa. No Brasil, é bem forte o meta do top laner split push (quando o jogador se divide do resto da equipe para puxar uma rota). São os estilos de jogo e as zonas de conforto dos jogadores que compõem o meta da região.

Sou gold e sigo o meta, por que não subo de ranking?

Seguir o meta não significa conseguir vitórias fáceis ou subir facilmente de ranking. Importante ressaltar que o termo meta game é utilizado tendo em consideração que todos os jogadores tem um domínio parecido e conseguem extrair o máximo de heróis e itens. Por isso esse termo é usado nas competições de alto nível e nos elos mais altos de cada região.

Não adianta o elemento estar forte no momento, com status vantajosos, se você não consegue acertar os tiros ou as habilidades. Por exemplo: Se você joga de Malfurion no Heroes of the Storm mas não consegue acertar seu controle de grupo ou sua ultimate. E o contrário também pode acontecer. Você pode ser um dos melhores jogadores no servidor brasileiro de League of Legends, estar no tier master ou challenger e jogar apenas de Singed, considerado fora do meta.

Top tier Overwatch Asia Europa
Enquanto na Ásia aparece ospersonagens Mcree, D.va e Zarya, na Europa há uma predominância de Genji,Tracer e Soldado 76

O meta é importante para a criação de estratégias e composições das equipes. Sabendo o que está forte no momento e o que funciona melhor, os times se adaptam e criam mecanismos para tirar proveito. É por isso que você não vê seu jogador favorito jogando sempre com o mesmo personagem.

Meta game é, por essência, aquilo que está mais forte na mão de quem sabe usar. Não quer dizer que você não pode carregar de Widowmaker, ou solar o adversário de Murquinho, mas em comparação com outras opções, talvez essas não sejam as mais populares. O meta é um conceito temporal, localizado num momento, num patch, numa atualização, e que tem maior eficiência em certos contextos, mas que pode mudar logo em seguida. O importante é entender o meta, mas nunca depender só dele.

Foto de capa: Vinicius Schmidt

Um comentário em “O que é o meta game nos eSports?

Deixe seu comentário: