Da bexiga ao couro sintético, conheça a história da origem da bola de futebol americano

Uma das principais diferenças entre o futebol “soccer” e o futebol americano é o formato da bola. Uma precisa ter o formato redondo, que facilita sua movimentação pelo campo e garante precisão dos passes e chutes. A outra precisa ter o formato oval, para ser mais fácil de carregar e lançar.

Mas por que a bola de futebol americano era oval no começo de sua história se o passe para frente só foi criado em 1906?

Quem vê a bola oval na televisão hoje em dia em jogos da NFL, CFL ou College Football, com sua borracha sintética e seus sensores de movimento, não imagina que no começo da história da modalidade, lá nos anos 1800, as primeiras bolas de futebol americano eram feitas de bexigas de animais, principalmente de porco.

Leia mais: A NFL não dá a mínima para a violência contra a mulher

E foi devido a essa “matéria prima” que a bola de futebol americano teve o formato oval, e não por causa de tecnologia ou ciência.

O começo de tudo

evolução da bola de futebol americanoAs primeiras bolas de futebol americano criadas eram bexigas de porco enchidas com ar ou com outros materiais e depois amarradas com fios de algodão. Por isso nenhuma bola daquela época era exatamente redonda e nenhuma era praticamente igual a outra.

Mais tarde, por volta de 1850, o couro de vaca começou a ser usado para envolver a bexiga dos animais, aumentando a durabilidade. Só que fazer bolas de couro era muito caro e uma tecnologia ainda muito recente.

Bola de futebol americano antiga
Bola de 1894 – Fonte: profootballhof.com

Na década de 1860, a bexiga de animais começou a ser substituída pela borracha vulcanizada (resistente ao frio e calor), o que também coincidiu com os primeiros passos do futebol americano rumo à separação do rugby. Vale lembrar que nessa época as bolas de futebol americano eram quase redondas (parecidas com as do futebol e rugby), já que o jogo era basicamente terrestre.

Henry Duffield presenciou o jogo entre Princeton e Rutgers, em 1869, considerado o primeiro jogo de futebol americano entre universidades da história e contou a dificuldade que era encher a bola:

“Teoricamente a bola deveria ser redonda, mas na verdade nunca era. Era difícil de enchê-la corretamente. O jogo parou várias vezes naquele dia porque os membros dos times precisavam revezar para conseguir encher a bola.”

Com o passar do tempo, jogadores e pessoas envolvidas com o esporte percebiam que a forma ovalada ajudava em chutes e nas carregadas terrestre. No começo do século XX, o formato oval da bola foi formalizado.

A chegada do passe para frente e a ciência na bola oval

bola de futebol americano antiga
Bola de 1911 – Fonte: profootballhof.com

Em 1906, John Heisman mudou a forma de como o esporte era jogado ao convencer o Football Rules Committee (Comitê de Regras) a legalizar o passe para frente. A partir dessa data, a bola de futebol americano ganhou mais importância e atenção.

A modalidade continuou em evolução, com novos tipos de jogadas e regras, e a bola não ficou para trás. Na década de 1930, quando o jogo aéreo se tornou mais dominante, a bola ficou mais comprida e fina.

Uma das principais mudanças da bola oval na história do futebol americano aconteceu no começo da década de 1940. Até então, tanto NFL quanto a AFL (liga rival da NFL na época) usavam bolas da marca Spalding (você deve reconhecer pelas bolas de basquete). Mas a partir de 1941, com a ajuda das lendas George Halas e Tim Mara, a NFL trocou o fornecimento da Spalding para a Wilson, e a bola foi apelidada de “The Duke”.

Em 1955, a Wilson criou a a bola chamada TD Football, com um couro mais “grudento”. Ele facilitava o grip, ou a firmeza na hora de agarrar passes, especialmente na chuva. Esse tipo de material é chamado de “Tanned-in-tack” e foi criado pela companhia de couro Horween.

A “The Duke” ainda é utilizada pela NFL atualmente.

história da bola de futebol americano
Crédito: Keith Allison via Visualhunt CC BY-SA

 

Mais fatos sobre a bola de futebol americano:

  • Tem 71 centímetros de circunferência e 28 cm de largura
  • A parte interna da bola é composta por uma bexiga de poliuretano de três camadas de alta tecnologia. Duas dessas camadas são de poliuretano comum, e a terceira é feita com um material único, que é segredo
  • Em 1951 foram testadas bolas de borracha no futebol americano, sem sucesso
  • Em 1956 as bolas brancas, usadas sempre à noite, foram trocadas por bolas escuras com duas listras brancas. Mesmo com o grande melhoria na iluminação dos estádios, a NCAA (liga universitária de futebol americano) ainda utiliza esse estilo de bola hoje em dia

Foto de capa: euan1234 via Visualhunt.com CC BY

Um comentário em “Da bexiga ao couro sintético, conheça a história da origem da bola de futebol americano

Deixe seu comentário: