O segredo do sucesso do futsal e futebol feminino de Chapecó

Jogadoras na seleção brasileira de futsal. Jogadoras na seleção de base de futebol feminino. Três títulos no Mundial Copa das Nações e seis da Liga Nacional de Futsal. Campeãs do Brasileiro Escolar de Futebol Feminino e quarto melhor time dessa faixa etária do mundo. As equipes da Female e da Adell são duas potências em suas respectivas modalidades, o futsal e o futebol feminino. A semelhança entre as duas? Ambas são de Chapecó.

Leia mais: Oito números que mostram o sucesso do Campenato Brasileiro Feminino 2017

A cidade do oeste de Santa Catarina ficou conhecida no esporte pela Chapecoense, mas tem uma força incrível quando o assunto é a bola no pé das mulheres. As duas equipes são responsáveis por essa história e referência no cenário nacional. Na quadra, a Female conquistou a Libertadores no último sábado, dia 22. A campanha foi de 35 gols marcados e 6 sofridos. No campo, a Adell — que trabalha com meninas até os 18 anos –, conquistou o Brasileiro, em maio, e ficou em quarto lugar no Mundial Escolar, em junho.

O surgimento da Female

A história da Female está interligada com a de Eder Popiolski, técnico e fundador do time. A coruja, o mascote que está no escudo, vem em homenagem à sua mãe que foi quem o colocou no futsal feminino. A fase profissional da equipe se iniciou em 2000. Mas, desde final dos anos 80, existe um grupo que incentiva a modalidade em Chapecó — e a mãe do técnico foi uma das jogadoras nessa época. O Popiolski Futebol Clube (que em 2005 passou a carregar o nome de Female) surgiu como uma maneira de dar sequência a esse trabalho e, de certa forma, seguir o legado da família no futsal feminino.

futsal e futebol feminino de Chapecó
Crédito: Letícia Secchini/Female Press

Desde 2000, existe um trabalho exemplar que formou muitas jogadoras de referência. Muitas delas vestiram e vestem a amarelinha da seleção brasileira. Esse elenco naturalmente resultou em conquistas. Só o time adulto tem três títulos do Mundial Copa das Nações (2009-2011), as Libertadores de 2013 e 2017, seis conquistas da Liga Nacional e cinco da Taça Brasil. Poderia ser mais se o calendário fosse maior e a Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) fornecesse mais competições. As categorias de base, que consistem em dois projetos — um de 13 a 18 anos e o outro dos 8 aos 13 — também são destaque no cenário do futsal feminino.

Não é exagero afirmar que a estrutura da Female é uma das melhores do Brasil. As atletas têm moradia, alimentação, acompanhamento fisiológico (por meio de fisioterapeutas e preparadores físicos) e bolsas de estudo na universidade. Além disso, recebem um auxílio financeiro mensal. Nega, pivô da Female e da seleção brasileira AMF, compara: “Para sair daqui, só se viessem propostas fora do país. Com o que se tem no Brasil, nossa estrutura é muito boa”.

De fato, pode-se citar diversas atletas que foram para o exterior: Vanessa (melhor do mundo três vezes), Tati, Renata, Tampa, Gabriela e Josi são algumas jogadoras que foram para o futsal internacional. O futsal feminino de Chapecó já foi coroado como o melhor do mundo. Os frutos desse trabalho de longa data são indicativos de como o projeto é consolidado e continua sendo um sucesso.

O futsal feminino em Chapecó marca um capítulo interessante na história do esporte chapecoense. É um projeto de dezessete temporadas que consegue ser mantido mesmo com muitas adversidades, por ser um esporte com tabu. Foi oferecida uma possibilidade da sociedade pensar em uma participação feminina no esporte, principalmente no futsal e futebol feminino”, explica o técnico Eder Popiolski

Isso se reflete nas convocações para a seleção brasileira. A partir da temporada 2017, seis jogadoras da Female integram a seleção brasileira CFSB, que joga o futebol de salão clássico da AMF, a Associação Mundial de Futsal. São elas: Giga (goleira), Micheli e Luisa (alas), Débora (fixa), Nega (pivô) e Tainara (fixa-ala).

O futebol feminino da Adell

Dez anos depois que a Female já fazia seu trabalho, em 2010, foi oficializado o projeto da Adell — Associação Desportiva Lourdes Lago. O trabalho já acontecia desde 2008, mas não de forma legal. O foco é o futebol feminino na grama, apesar de as atletas também jogarem futsal (as jogadoras da Adell são cedidas ao projeto da Female de 13 a 18 anos). O idealizador é o professor de Educação Física Amauri Giordan, que percebeu a qualidade técnica das meninas enquanto jogavam na aula contra garotos.

“A Adell é referência na formação de atletas femininas no sul do Brasil, tendo já revelado inúmeras jogadoras e sendo vista como centro de formação de novos talentos”, conta Giordan.

Essa constatação é reforçada por mais de cem conquistas, como o primeiro título do Brasil nas categorias de base de futebol feminino, o Sul-americano de Jogos Escolares; ou em títulos nacionais como a Taça do Brasil de Clubes sub 15 e as Olimpíadas Escolares.

futsal e futebol feminino de Chapecó
Foto: Assessoria Adell

Existem parcerias com a Prefeitura de Chapecó (que repassa recursos financeiros) e com a Unochapecó (que oferecerá bolsas de estudos para jogadoras que queiram continuar na cidade representando Chapecó nas competições). A Adell foi base do time feminino da Chapecoense em 2015 e 2016, quando a equipe que competiu o Brasileiro Feminino antes de ter parceria pausada por tempo indeterminado. Hoje a Chapecoense oferece o campo para treinamento das jogadoras. O projeto atende cerca de sessenta meninas de 14 a 17 anos, sendo que dezesseis delas recebem moradia e alimentação.

Em 2017, a Adell teve oito convocadas para a seleção brasileira de base: Beatriz e Gabriela (goleiras), Yasmin (zagueira), Natália, Bruna e Isabela (laterais), Júlia (meia) e Luana (atacante).


As duas equipes são relevantes no cenário nacional e retroalimentam uma a outra. Elas são prova de que, com um pouco de investimento e profissionais apaixonados, é possível realizar um trabalho de qualidade que muda a vida das pessoas. O esporte no Brasil ainda tem muito a ser desenvolvido — excluindo o futebol, é fácil apontar muitos erros de gestão e administração dos recursos que são repassados para as Confederações e os times. Ainda assim, a Female e a Adell seguem como exemplos de que existe muito talento na nação verde e amarela. Com um pouco de incentivo e com um projeto sólido, conquistar o mundo é questão de tempo.

Créditos da foto principal: Press Female e Assessoria Adell

Deixe seu comentário: