Servindo o ataque: a função do levantador no vôlei

Tudo que acontece em uma quadra, em algum momento, vai passar pela mão do levantador no vôlei. O motor que faz a equipe andar, esse atleta tem a responsabilidade de preparar todos os ataques do time. Sintonia e precisão são os termos que definem a posição.

Nós já falamos aqui do jogador mais importante em quadra, o ponteiro. Agora vamos explicar as ações da posição mais essencial em quadra.

Qual a diferença? Você até consegue viver sem um ponteiro, mas é impossível montar um time sem um levantador.

Leia mais: O “faz-tudo”: a função do ponteiro no vôlei

Levantador no vôlei: Função no ataque

O levantador no vôlei é uma posição que se compara a outras em diversos esportes: o quarterback no futebol americano, o armador no basquete, o meia no futebol. O que o diferencia das outras posições do vôlei é que este atleta irá se especializar em armar a bola para o ataque do seu time. Ou seja, todo o ponto ofensivo passará necessariamente por suas mãos.

Normalmente atletas mais baixos, os levantadores precisam de velocidade, agilidade e precisão para se destacarem em alto nível.

Velocidade para correr a quadra inteira

Por serem os únicos que levantam a bola e pela necessidade de se levantar sempre junto à rede, quando o levantador está na rotação de fundo de quadra, ele precisa sempre se deslocar para frente. Quem é levantador vai concordar, isso cansa.

Agilidade para executar o levantamento

Muitas vezes o passe não vem da melhor maneira possível, próximo a rede e alto. É o que se chama de passe B (quando vem afastado da rede, mas ainda a frente da linha dos três metros) e passe C (quando vem atrás da linha dos três metros). Independente de onde esteja a bola, o levantador no vôlei tem que se desdobrar para soltar ela na mão do atacante, e muitas vezes isso significa performar malabarismos em quadra.

Precisão para deixar sempre a bola na pinta

O levantador precisa sempre colocar a bola no ponto certo, no tempo certo e para o jogador certo. Este feito muitas vezes tem sua dificuldade subestimada pelos “críticos de plantão”, já que exige uma fineza extrema de movimentos e grande visão de jogo.

Como cada atleta tem suas diferenças e especificidades, o levantador precisa de muita sintonia com seus companheiros. Alguns preferem a bola mais alta, outros que ela chegue mais rápido, outros gostam de se posicionar mais para o meio da rede. Assim, cada levantador no vôlei vai se diferenciando na forma de preparar o ataque.

Bruninho, por exemplo, gosta de colocar velocidade na bola, a famosa chutada. William, o Mago, já prefere um levantamento com maior arco, onde a bola viaja uma maior distância e chega mais alta na mão do atacante. Fofão, a melhor de todos os tempos, adaptava seu estilo conforme a equipe, fazendo de tudo um pouco.

No geral, a função do levantador no vôlei passa sempre por um quê de malandragem, de enganar o adversário para criar a melhor situação possível no ataque.

É possível, assim, identificar diferenças de estilo, o que leva a diferentes preferências. Se você quer forçar bolas com um central como Lucão, chame um levantador que saiba chutar a bola. Prefere uma bola mais colocada, encaixada na mão do oposto Wallace, vá com um levantador mais técnico. Quer consistência em todas as funções da quadra, tente alguém mais alto, que possa também bloquear e bater uma bola de segunda.

Levantador no vôlei: Função no defesa

Mesmo tendo suas preferências, um levantador precisa estar atento a todas as opções em quadra. E isso não quer dizer olhar somente para o seu lado da quadra, mas também estar atento ao adversário.

O levantador no vôlei precisa ter sempre na memória o posicionamento defensivo do outro time. Como posiciona-se o bloqueio, onde estão as coberturas, quão avançada está a linha de fundo.

Assim, quem joga nessa posição costuma ter muito conhecimento de como jogam diferentes estilos defensivos. Logo, eles são também bons defensores. As já mencionadas velocidade e agilidade também ajudam, sendo o levantador no vôlei protagonista de diversos lances memoráveis.

O bloqueio normalmente não é o ponto forte da posição, mas recentemente alguns levantadores vêm se destacando como bons bloqueadores. Sua função defensiva na rede é de tocar na bola e permitir o contra-ataque que ele mesmo irá armar. Mais recentemente, alguns levantadores passaram a se destacar pontuando nessa posição, como Simone Gianelli, da Itália.

Lembrando, claro, que o levantador no vôlei não participa da recepção do serviço, já que precisa ser sempre o segundo toque na bola.

Saque

Quando passa pelo saque, este atleta costuma ser mais calculista. Por não atacar muito a bola, o levantador no vôlei costuma ter pouca técnica forçando o serviço, optando assim por um golpe mais colocado, flutuante. Por treinarem muito essa técnica, os jogadores dessa posição costumam variar bastante os golpes no saque.

Atualmente, é comum levantadores forçarem o saque, mas são poucos que realmente encaixam uma boa sequência. Isso não é necessariamente um problema. Quando o levantador serve, a rede fica com três atacantes, o que resulta em um bom bloqueio e mais opções no ataque. Logo, a chance de contra-atacar aumenta.

Independente de sua passagem no saque ser boa ou ruim, de suas habilidades na defesa serem consistentes ou não, o levantador no vôlei será sempre uma peça fundamental da composição de um time.

O cérebro por trás de cada jogada, essa posição costuma exigir também muito conhecimento de disciplina, elementos característicos não só de um levantador, mas também de um técnico. Não à toa muitos saem de dentro da quadra para ficar na lateral, treinando.

Foto destaque: CBV.com.br

Deixe seu comentário: