Cinco documentários do Memória do Esporte Olímpico Brasileiro para você assistir

O ciclo das Olimpíadas no Brasil não deixou todo aquele legado esperado por nós, apaixonados pelos esportes. Estádios e ginásios abandonados ou subutilizados, desvios de dinheiro, cenário esportivo estagnado, modalidades na mesma situação de sempre. Apesar de todos os problemas, ao menos em uma coisa melhorou: a Memória do Esporte Olímpico Brasileiro (MEOB).

Se você está achando que este post é uma propaganda paga ou que este autor tem relação direta com o projeto do MEOB, enganou-se. O único envolvimento mesmo é o emocional. Já discutimos no EsporteCast #13 sobre a série da ESPN 30 for 30, que reúne alguns dos melhores documentários esportivos já criados. O Memória do Esporte Olímpico Brasileiro é como se fosse a versão nacional dessa série consagrada.

Leia mais: Dos jogos escolares às Olimpíadas: qual a real situação do handebol brasileiro?

Relembrando a memória do esporte olímpico brasileiro

Criado em 2011, o projeto contou com cinco edições em um total de 47 documentários. O objetivo era resgatar histórias dos atletas brasileiros, medalhistas ou não, durante todas as participações nos Jogos. Com apoio de empresas e instituições públicas, e tendo a figura do jornalista José Trajano até então como a cara da ESPN Brasil, os candidatos passavam por processo seletivo e editais, até serem escolhidos para produzir suas histórias.

Até ano passado, todos os documentários estavam disponíveis na plataforma digital do projeto. Infelizmente, vários vídeos saíram do ar este ano, por conterem imagens de propriedade do COI. Mas ainda há alguns episódios para assistir por lá. Se você tiver acesso ao serviço de streaming da ESPN Brasil, há outros documentários disponíveis. É possível encontrar episódios também no site da emissora pública TV Brasil e no site da Empresa Municipal de Multimeios do Rio de Janeiro. Ou então ir presencialmente na Cinemateca Nacional.

Por qual Memória do Esporte Olímpico Brasileiro começar?

Bem, se você se assustou com o número de 47 documentários para assistir, que tal começar com cinco? Segue a lista!

Viagem, o saque mudou o vôlei (Ano II, 2012)

A geração de prata que mudou o vôlei nacional, em termos de reconhecimento, e mundial por conta do saque. Renan Dal Zotto, Montanaro e o capitão Willian, da seleção de 1984, ajudam a contar a história da consolidação do vôlei masculino brasileiro. Confira o documentário disponibilizado pelo próprio diretor no seu canal.

Pátria (Ano I, 2011)

Ainda no vôlei, mas desta vez no feminino. A seleção brasileira conquistou sua primeira medalha – a de bronze – nas Olimpíadas de Atlanta em 1996. Mas o que mais ficou marcado naqueles Jogos foi a semifinal contra Cuba.  Uma partida com muita rivalidade, que reverberou por muitos anos. O documentário conta com os depoimentos das jogadoras de ambos países.

3 Pontos – Basquete, Rap e o Jejum (Ano II, 2012)

Narrado ao som de rap, o documentário passa por todas as fases do basquete masculino nacional. Começa com a medalha de bronze nas Olimpíadas de 1948 e passa pelos títulos mundiais de 1959 e 1963. Depois relembra a geração de Oscar, o período de ausência dos Jogos e o retorno, em 2012.

Ouro, prata, bronze e… chumbo! (Ano I, 2011)

Antes de assistir a este documentário, em 2012, eu não fazia ideia que as primeiras medalhas olímpicas do Brasil vieram na Antuérpia em 1920. E o mais curioso: todas no tiro esportivo! O filme foge um pouco do comum, pois como não há praticamente registros dos personagens, foi necessário um docudrama para representá-los. Mas a história de como foram as conquistas é impressionante.

Maria Lenk, a essência do espírito olímpico (Ano I, 2011)

A maior nadadora da história do Brasil não é nome de Parque Olímpico e Troféu à toa. Primeira sul-americana a ir às Olimpíadas (em Los Angeles, 1932), Maria Lenk nadou, literalmente, até o último dia de vida. Detentora de diversos recordes mundiais, muitos já no master, viveu seu auge justamente durante o período da Segunda Guerra Mundial, sem Olimpíadas. O documentário acompanha de perto Maria Lenk aos 90 anos, em 2005, e conta toda sua trajetória.

Foto de capa: Frame da vinheta oficial

Deixe seu comentário: