Como o Cleveland Cavaliers chegou a três finais da NBA consecutivas

É difícil parar e pensar como a história de um time com 47 anos pode estar tão ligada a um atleta com 13 anos de carreira. Porém, esse é o caso do Cleveland Cavaliers. Não que as duas finais de conferência  de 1976 e 1992 sejam esquecíveis, mas, antes de 2003, os Cavs eram mais conhecidos como vítimas de Michael Jordan. LeBron James chegou para mudar isso: levou o time perto do topo, saiu, foi chamado de traidor e voltou para sua terra natal.

Leia mais: Como o Golden State Warriors chegou a três finais de NBA consecutivas

Não fosse o camisa 23, o Cleveland não estaria fazendo história junto com o Golden State Warriors. Três finais da NBA consecutivas não é para todos e até a saída do King contribuiu para o feito. Por isso, voltamos dez anos no tempo para contar como o Cleveland Cavaliers se tornou uma das maiores forças da NBA.

2006-2010: Final, o declínio e a frustração de LeBron no Cavaliers

Vamos começar essa história com a temporada 2006-07, ano da primeira aparição de LeBron James nas finais da NBA. Junto com ele, estavam Larry Hughes, Zydrunas Igauskas, Anderson Varejão e outros companheiros de time não muito técnicos. Aquele era o segundo ano do treinador Mike Brown à frente da equipe e, mesmo com a falta de talentos, o time  bateu o Detroit Pistons na final da Conferência Leste. Incluindo um histórico jogo 5 do craque com 48 pontos, sendo 29 deles no último quarto e nas duas prorrogações. E, apesar da varrida sofrida contra o San Antonio Spurs, o futuro parecia promissor.

Parecia, mas não se concretizou. Para a temporada 2007-08, o Boston Celtics de Paul Pierce se reforçou com Ray Allen e Kevin Garnett. Enquanto isso, os reforços de Cleveland foram Wally Szczerbiak, Delonte West e Ben Wallace em fim de carreira. LeBron bem que tentou, mas acabou parando nas semifinais de conferência perdendo para o próprio Celtics por 4 a 3.

Lebron James vs Orlando Magic 2009 GIF
LeBron marca cesta da vitória contra o Magic na final do Leste, em 2009

No campeonato de 2008-09, Mo Williams foi a contratação dos Cavs. LeBron evoluiu ainda mais e conquistou seu primeiro MVP. A equipe chegou a ter a melhor campanha da temporada (66-16) e chegou às finais de conferência. O adversário foi o Orlando Magic de Dwight Howard que cresceu demais naquele ano. LeBron fez de tudo, venceu o jogo 2 no estouro do cronômetro, mas não adiantou: 4 a 2 para o Magic.

James entrou na temporada 2009-10 em seu último ano de contrato. Pedia por companheiros que pudessem o levar ao sonhado título. A diretoria contratou Shaquille O’Neal e Antawn Jamison, ótimos reforços se fossem quatro anos mais novos (tinham 37 e 33 anos, respectivamente). O craque continuava jogando tudo o que podia e conquistou seu segundo MVP. O Cavaliers repetiu a melhor campanha (61-21) foi até as semifinais e enfrentou, novamente, o Boston Celtics. Perdeu por 4 a 2 e, naquele momento, o futuro de seu superastro era incerto.

2010-2012: The decision e a reconstrução dos Cavaliers

the decision Lebron James gif
LeBron James anunciou sua decisão em uma entrevista ao vivo, em 2010

Uma entrevista em rede nacional marcou o que seria o fim do sonho da cidade de Cleveland. Cansado da incompetência da diretoria, LeBron tomou sua decisão: “eu estou levando meus talentos para South Beach e me juntando ao Miami Heat”em inglês é mais icônico. Camisas queimadas, revolta e a certeza de um futuro incerto era o que os torcedores dos Cavs tinham.

O único momento em que comemoraram na temporada 2010-11 foi ver o Miami Heat perder a final para o Dallas Mavericks, pois o primeiro ano com o técnico Byron Scott foi desastroso. Baron Davis e Ramon Sessions chegaram para tentar amenizar o estrago, mas a campanha com apenas 19 vitórias diz tudo.

Os Cavs conseguiram a primeira e a quarta escolha do draft seguinte com a fraca campanha. Escolheram Kyrie Irving e Tristan Thompson, respectivamente. Nada mal para começar uma reconstrução. A temporada 2011-12 teve apenas 66 jogos, dos quais o time venceu 21 e Kyrie foi o calouro do ano. Enquanto isso, LeBron conquistou seu primeiro título no Heat.

2012-2013: A sorte sorria, mas o Cavs não aproveitava

É delicado julgar escolhas do draft anos depois, mas o fato é que a franquia de Ohio começou a errar. Com a quarta escolha de 2012, selecionaram Dion Waiters e ainda conseguiram Tyler Zeller, a 17ª escolha de Dallas. Vale destacar que Damian Lillard foi o sexto, Andre Drummond o nono e Draymond Green o 35º escolhidos naquele ano. Com uma contusão de Kyrie e de Varejão, que vinha melhorando seu jogo, o Cavs teve uma campanha de 24-58 na temporada 2012-13. Já em Miami, LeBron conquistou seu segundo título.

Gif de Anthony Bennett no Cleveland Cavaliers
1ª escolha do draft de 2013, Bennett já passou por quatro times na NBA

O campeonato 2013-14 prometia ser melhor graças à sorte. Mais uma primeira escolha dentre os talentos no draft. Não eram muitos, na verdade. Mas com Giannis Antetokounmpo, Rudy Gobert e C.J. McCollum disponíveis, Cleveland foi de Anthony Bennett. Na free agency contratou Luol Deng, Andrew Bynum e Jarrett Jack. Porém, só o não-draftado Matthew Dellavedova foi útil. Mais uma temporada ruim (33-49) e Byron Scott foi demitido.

Os torcedores de Cleveland tinham calafrios ao ver Kyrie Irving melhorar cada vez mais em um time fraco. Porém, a sorte sorriu mais uma vez para o Cavaliers e a equipe conseguiu a primeira escolha do draft de novo – a terceira em quatro anos. Andrew Wiggins era um dos maiores prospectos desde o ensino médio, não tinha como o general manager errar.

Porém, o melhor estava por vir. LeBron James nasceu e cresceu em Akron, cidade vizinha de Cleveland. Estava com saudades de casa e queria voltar com seus quatro troféus de MVP da temporada regular e dois das finais. Não há sorte maior do que essa.

2014-2015: LeBron volta a Cleveland e leva companhia

Em julho de 2014, LeBron anunciou: “Estou voltando para casa”. Depois de ser campeão, ele trazia esse desafio para Cleveland – que, juntando NBA, NFL e MLB, não via um título há mais de 50 anos. De repente, os uniformes rasgados e as vaias foram esquecidos. O melhor jogador do planeta iria vestir o vinho e amarelo novamente.

Os Cavs reformularam o time. Trocaram Andrew Wiggins, Anthony Bennett e uma escolha de primeira rodada para trazer o ala-pivô Kevin Love, formando o big three: James, Irving e Love. Além dessas duas grandes novidades, chegaram J.R. Smith, Timofey Mozgov, Iman Shumpert – e James Jones, é claro. Saíram, entre outros, Luol Deng, Andrew Bynum e Jarret Jack.

Havia mudança também no cargo de treinador principal. Antes de LeBron anunciar seu retorno, o israelense David Blatt assumiu o posto de Mike Brown, que retornara no ano anterior. As mudanças resultaram rápido: campanha de 53 vitórias e 29 derrotas e retorno à decisão depois de 8 anos. Disputaram às finais sem Irving e Love, machucados, o que não foi o suficiente para parar o small ball do Golden State Warriors. Porém, ali nascia uma rivalidade que atingiu o recorde de finais da NBA consecutivas entre os mesmo times.

Lebron James Steph Curry GIF
Cleveland perdeu o título da temporada 2015 em casa por 4-2

2015-2017: As estatísticas saltando nos playoffs 

Na temporada de 2015-2016, Dion Waiters, Mike Miller, Kendrick Perkins e Varejão foram liberados. Chegaram os veteranos Mo Williams (de novo), Richard Jefferson e Channing Frye. No meio da temporada, David Blatt foi demitido para a promoção do assistente principal Tyronn Lue como técnico principal. Com 57 vitórias e 25 derrotas, a equipe terminou a temporada em primeiro na Conferência Leste. Depois, fizeram valer o favoritismo e chegaram à sexta final consecutiva de LeBron (e James Jones).

As estatísticas indicavam que os Cavs não foram tão fortes na temporada regular. O time tinha apenas o oitavo melhor ataque (com 103,1 pontos por jogo) e a quarta melhor defesa (cedendo uma média de 98,3 pontos). Porém, na pós-temporada o time melhorou muito, saltando em diversas estatísticas. Os pontos por jogo passaram de 103,1 para 104,7 e o aproveitamento nas bolas de 3 foi de 36,7% para 40,6%. Ah, sim, faltou falar que LeBron comeu a bola atingindo médias de 29,7 pontos, 11,3 assistências e 8,9 rebotes. Taticamente falando, a partir do 1-3 os Cavaliers dominaram o garrafão e controlaram a série, realizando pela primeira vez na história a virada para 4 a 3.

Gif LeBron James toco Andre Iguodala Final NBA 2017
Toco de LeBron no Jogo 7 entrou para a história da NBA

O Cleveland Cavaliers se aprimorou desde o retorno de LeBron, saltando do oitavo melhor ataque em 2014-15 para 0 quarto lugar na temporada regular atual. Além disso, o time aprimorou suas bolas de perímetro sendo o vice líder em cestas de 3 pontos tentadas, convertidas e aproveitadas. Nos playoffs, a equipe varreu os dois primeiros adversários (Indiana Pacers e Toronto Raptors) e perdeu apenas uma vez na final de conferência contra o Boston Celtics (a melhor campanha). É assim que o Cavs chega a sua terceira final de NBA consecutiva: com o melhor jogador do mundo ainda melhor, com o time saudável e acelerando o motor na pós-temporada de busca do bicampeonato.

*Com colaboração de Lucas Inácio

Deixe seu comentário: